quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Evangelho: Marcos 3,1-6 - 23.01.2019



Aleluia, aleluia, aleluia.

Jesus pregava a Boa-Nova, o Reino anunciando, / e curava toda espécie de doenças entre o povo (Mt 4,23). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 1Jesus entrou de novo na sinagoga. Havia ali um homem com a mão seca. 2Alguns o observavam para ver se haveria de curar em dia de sábado, para poderem acusá-lo. 3Jesus disse ao homem da mão seca: “Levanta-te e fica aqui no meio!” 4E perguntou-lhes: “É permitido no sábado fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma vida ou deixá-la morrer?” Mas eles nada disseram. 5Jesus, então, olhou ao seu redor cheio de ira e tristeza, porque eram duros de coração, e disse ao homem: “Estende a mão”. Ele a estendeu e a mão ficou curada. 6Ao saírem, os fariseus com os partidários de Herodes imediatamente tramaram, contra Jesus, a maneira como haveriam de matá-lo. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Um ambiente de desconfiança envolve a pessoa de Jesus. A sinagoga era o espaço onde se ensinava a Lei de Deus e se faziam orações. Jesus interrompe o costumeiro rito e coloca no centro o homem da mão paralisada, figura do povo oprimido. Dirige a todos uma pergunta, cuja resposta era óbvia, mas ninguém abriu a boca: “No sábado (atualmente, domingo), é permitido fazer o bem ou fazer o mal? Salvar uma vida ou deixar morrer?”. Com poder e uma breve ordem, Jesus devolve a saúde completa ao inválido (povo). Os fariseus, porém, ávidos de pescar Jesus fazendo alguma coisa errada, retiram-se da sinagoga, não convertidos. Em vez de prestarem honra a Deus, consultam os herodianos para tramarem a morte do Filho de Deus. Tem razão Jesus ao lançar sobre eles “um olhar de indignação e tristeza”.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


Evangelho: Marcos 2,23-28 - 22.01.2019



Aleluia, aleluia, aleluia.

Que o Pai do Senhor Jesus Cristo / vos dê do saber o Espírito, / para que conheçais a esperança / reservada para vós como herança! (Ef 1,17s) – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – 23Jesus estava passando por uns campos de trigo em dia de sábado. Seus discípulos começaram a arrancar espigas, enquanto caminhavam. 24Então os fariseus disseram a Jesus: “Olha! Por que eles fazem em dia de sábado o que não é permitido?” 25Jesus lhes disse: “Por acaso, nunca lestes o que Davi e seus companheiros fizeram quando passaram necessidade e tiveram fome? 26Como ele entrou na casa de Deus, no tempo em que Abiatar era sumo sacerdote, comeu os pães oferecidos a Deus e os deu também aos seus companheiros? No entanto, só aos sacerdotes é permitido comer esses pães”. 27E acrescentou: “O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado. 28Portanto, o Filho do homem é senhor também do sábado”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Apoiando-se na sua interpretação da Lei, os fariseus acusam os discípulos e repreendem Jesus por não observarem o sábado. Com essa atitude, os fariseus revelam mentalidade mesquinha, interpretando como colheita proibida o que era apenas matar a fome com algumas espigas. Jesus responde citando um fato bíblico do rei ilustre, Davi, fato que mostra o seguinte: em caso de necessidade, suspende-se a obrigação da Lei. Deus instituiu o repouso sabático para que a pessoa tivesse um dia de repouso e, portanto, de paz e alegria. Com o episódio aprendemos que não se deve ser mesquinho na interpretação das leis, mas colocá-las a serviço de Deus e do próximo. Ao dizer “o Filho do Homem é senhor também do sábado”, Jesus mostra que tem poder não só para explicar a Lei, mas também para interpretá-la.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


Evangelho: Marcos 2,18-22 - 21.01.2019



Aleluia, aleluia, aleluia.

A Palavra do Senhor é viva e eficaz: / ela julga os pensamentos e as intenções do coração (Hb 4,12). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 18os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: “Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam e os teus discípulos não jejuam?” 19Jesus respondeu: “Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar. 21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha, porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém põe vinho novo em odres velhos, porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

O jejum praticado por João Batista e pelos fariseus era uma atitude penitencial que supunha um Deus irritado com as pessoas e ao qual era necessário acalmar, e por isso elas se privavam de alimento. Eis que o Messias misericordioso já está presente, mas muitos não o percebem e continuam apegados a essa tradição, sem sentido religioso. Jesus não vem alimentar uma religião triste, em que os fiéis se obrigam a colecionar obras de reparação para agradar a Deus. É o tempo da alegria pela presença de Deus entre nós. Um Deus que perdoa pecados; que acolhe os marginalizados e os reintroduz na vida social. Um Deus que abre as portas do Reino aos povos do mundo inteiro. Esta é a novidade que Jesus traz, mas para essa novidade são necessárias mentes abertas, corações receptivos: “vinho novo em vasilhas novas”.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Evangelho: João 2,1-11 - 20.01.2019



Aleluia, aleluia, aleluia.

O Senhor Deus nos chamou, por meio do evangelho, / a fim de alcançarmos a glória de Cristo (2Ts 2,14). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, 1houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente. 2Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. 3Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. 4Jesus respondeu-lhe: “Mulher, por que dizes isso a mim? Minha hora ainda não chegou”. 5Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”. 6Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas, cabiam mais ou menos cem litros. 7Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. 8Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram. 9O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água. 10O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!” 11Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele. – Palavra da salvação.

Reflexão:

O segundo domingo do Tempo Comum, nos três anos litúrgicos, apresenta um texto do Evangelho de João. O relato de hoje nos traz a cena de um casamento em Caná da Galileia. Nessa festa, entre os convidados estavam Jesus, sua mãe e os discípulos. Quando o vinho termina, Maria provoca o filho, dizendo: “Não há mais vinho”. Jesus se desculpa, dizendo que ainda não chegou sua hora, mas acaba proporcionando o primeiro dos sete sinais descritos pelo evangelista João. O autor não fala em milagre, mas em sinal, o qual manifesta a glória de Deus em Jesus e revela a missão do Mestre. Três dias lembram a páscoa. Com a ressurreição de Jesus, iniciam sua glória e o novo tempo. Estamos no contexto de carência. Com a ação de Jesus, acontece a abundância do vinho, símbolo de alegria, de festa e de vida nova. O papel da mãe de Jesus é importante. A mulher é sempre mais sensível e perspicaz: percebe a falta de vinho e intercede em favor dos convidados. Ela continua exercendo papel importante, sempre nos alertando a fazer tudo o que o Mestre nos pede.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br


Leia também:


Evangelho: Marcos 2,13-17 - 19.01.2019



Aleluia, aleluia, aleluia.

O Espírito do Senhor repousa sobre mim / e enviou-me a anunciar aos pobres o evangelho (Lc 4,18). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 13Jesus saiu de novo para a beira do mar. Toda a multidão ia ao seu encontro, e Jesus os ensinava. 14Enquanto passava, Jesus viu Levi, o filho de Alfeu, sentado na coletoria de impostos e disse-lhe: “Segue-me!” Levi se levantou e o seguiu. 15E aconteceu que, estando à mesa na casa de Levi, muitos cobradores de impostos e pecadores também estavam à mesa com Jesus e seus discípulos. Com efeito, eram muitos os que o seguiam. 16Alguns doutores da lei, que eram fariseus, viram que Jesus estava comendo com pecadores e cobradores de impostos. Então eles perguntaram aos discípulos: “Por que ele come com os cobradores de impostos e pecadores?” 17Tendo ouvido, Jesus respondeu-lhes: “Não são as pessoas sadias que precisam de médico, mas as doentes. Eu não vim para chamar justos, mas sim pecadores”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus normalmente dá preferência aos pobres; neste episódio, porém, apresenta-se em companhia de ricos, e ainda por cima, ricos de má reputação. Levi, embora de origem judaica, pela sua profissão – cobrador de impostos – é considerado um descrente sem lei, praticamente um pagão. Também os que estavam marginalizados e excluídos da aliança podem fazer parte do Reino de Deus. A serena convivência de Jesus com os cobradores de impostos gera pesada censura dos doutores da Lei. Não aceitam que Jesus se misture com pessoas que eles consideram pecadoras. Estão longe de entender que Jesus veio justamente para salvar o que estava perdido (cf. Lc 19,10). Veio para salvar a todos, independente de sua situação. No final, Jesus esclarece por que procede desse modo (cf. v. 17).

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br


Leia também:


Evangelho: Marcos 2,1-12 - 18.01.2019



Aleluia, aleluia, aleluia.

Um grande profeta surgiu entre nós, / e Deus visitou o seu povo, aleluia (Lc 7,16). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – 1Alguns dias depois, Jesus entrou de novo em Cafarnaum. Logo se espalhou a notícia de que ele estava em casa. 2E reuniram-se ali tantas pessoas, que já não havia lugar nem mesmo diante da porta. E Jesus anunciava-lhes a Palavra. 3Trouxeram-lhe, então, um paralítico, carregado por quatro homens. 4Mas não conseguindo chegar até Jesus, por causa da multidão, abriram então o teto, bem em cima do lugar onde ele se encontrava. Por essa abertura desceram a cama em que o paralítico estava deitado. 5Quando viu a fé daqueles homens, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os teus pecados estão perdoados”. 6Ora, alguns mestres da lei, que estavam ali sentados, refletiam em seus corações: 7“Como este homem pode falar assim? Ele está blasfemando: ninguém pode perdoar pecados, a não ser Deus”. 8Jesus percebeu logo o que eles estavam pensando no seu íntimo e disse: “Por que pensais assim em vossos corações? 9O que é mais fácil, dizer ao paralítico: ‘Os teus pecados estão perdoados’ ou dizer: ‘Levanta-te, pega a tua cama e anda’? 10Pois bem, para que saibais que o Filho do homem tem, na terra, poder de perdoar pecados – disse ele ao paralítico –, 11eu te ordeno: levanta-te, pega tua cama e vai para tua casa!” 12O paralítico então se levantou e, carregando a sua cama, saiu diante de todos. E ficaram todos admirados e louvavam a Deus, dizendo: “Nunca vimos uma coisa assim”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Multidões se aproximam para ouvir Jesus. Neste episódio, são tantas as pessoas na casa, que lançam mão de algo inédito para colocar um paralítico aos pés de Jesus. O esforço dos quatro homens da maca demonstra solidariedade com o enfermo e fé no poder de Deus. Os quatro carregadores, figura dos quatro pontos cardeais, representam aqui as pessoas de todas as partes do mundo. Com sua palavra poderosa, o Filho do Homem perdoa os pecados do paralítico e o faz caminhar. Esse gesto de salvação integral (cura espiritual e física) provoca a indignação de alguns doutores da Lei: “Está blasfemando! Quem pode perdoar pecados, senão Deus?”. Entretanto, acima de tudo, o fato leva as pessoas a glorificarem o Senhor: “Ficaram todos admirados e glorificavam a Deus, dizendo: ‘Nunca vimos coisa assim!’”.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br


Leia também:


Evangelho: Marcos 1,40-45 - 17.01.2019



Aleluia, aleluia, aleluia.

Jesus pregava a Boa-Nova, o Reino anunciando, / e curava toda espécie de doenças entre o povo (Mt 4,23). – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 40um leproso chegou perto de Jesus e, de joelhos, pediu: “Se queres, tens o poder de curar-me”. 41Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse: “Eu quero, fica curado!” 42No mesmo instante, a lepra desapareceu e ele ficou curado. 43Então Jesus o mandou logo embora, 44falando com firmeza: “Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!” 45Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo. – Palavra da salvação.

Reflexão:

No tempo de Jesus, a lepra era considerada contagiosa e sinal de pecado; por isso, o leproso era afastado do convívio social e, conforme o ensinamento da sinagoga, sentia-se excluído do acesso ao Reino de Deus. O sistema marginalizava os que mais precisavam de ajuda. Isso provoca a ira de Jesus, que faz exatamente o contrário. Não só acolhe o leproso, mas toca nele, sem reservas nem medo de se contaminar, devolve-lhe a saúde e o reintegra na sociedade. A repercussão do fato poderia provocar a euforia da população e chegar aos ouvidos dos dirigentes, cuja preocupação urgente seria abafar a popularidade de Jesus. Daí a proibição de Jesus ao ex-leproso, para não espalhar a notícia. Por achar a cidade um ambiente hostil à sua presença e obra, Jesus ficava em lugares desertos e aí acolhia as multidões.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também: