quinta-feira, 19 de julho de 2018

Evangelho: Mateus 12,46-50 - 24.07.2018



Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus

– Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem falar contigo”. 48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

– Palavra da salvação.

Reflexão:

Não está dito que Jesus tenha recusado receber sua mãe e seus parentes. Ele aproveita o ensejo para apresentar uma novidade. Doravante, a pertença à familiaridade de Jesus se dá por outros critérios e não somente pelos laços de sangue. Sua nova família se constitui com as pessoas que fazem a vontade do Pai celeste. Jesus não fica confinado a pequeno grupo, ou exclusivo de uma raça. Ele vem para unir ao seu redor os povos do mundo inteiro. Ele é o Senhor e o Mestre de todos. Ele próprio se autodenomina o bom Pastor e prediz que “todos se tornarão um só rebanho com um só pastor” (Jo 10,16). Pois ele veio do Pai para salvar não apenas um povo, mas para reunir os filhos de Deus que estão espalhados por toda parte (cf. Jo 11,52). Você se sente fazendo parte da família de Jesus Cristo?

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br


Leia também:


Evangelho: Mateus 12,38-42 - 23.07.2018



Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus

– Naquele tempo, 38alguns mestres da lei e fariseus disseram a Jesus: “Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti”. 39Jesus respondeu-lhes: “Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas. 40Com efeito, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do homem estará três dias e três noites no seio da terra. 41No dia do juízo, os habitantes de Nínive se levantarão contra essa geração e a condenarão, porque se converteram diante da pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas. 42No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará contra essa geração e a condenará, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão, e aqui está quem é maior do que Salomão”.

– Palavra da salvação.

Reflexão:

Doutores da Lei e fariseus, representantes do poder religioso e político, com malícia no coração, pedem a Jesus um sinal do céu. Na verdade não se abrem à pregação de Jesus; não o aceitam como Messias, o Filho de Deus. Querem é desafiá-lo. Preferem manter os velhos esquemas sociais que dão regalias a poucos, dentre os quais eles se incluem, enquanto sacrificam a maioria da população. Jesus argumenta evocando duas célebres figuras do Antigo Testamento: o profeta Jonas e o rei Salomão. Os ouvintes de Jonas, embora sendo pagãos, se converteram com a pregação dele. A rainha de Sabá fez longa viagem para ouvir de Salomão a Palavra de Deus. Estão em melhores condições diante de Deus do que esta geração “má e adúltera”, que ignora o Cristo, “maior do que Jonas” e “mais sábio do que Salomão”.

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


quarta-feira, 18 de julho de 2018

Evangelho: Marcos 6,30-34 - 22.07.2018



Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos

– Naquele tempo, 30os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado. 31Ele lhes disse: “Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco”. Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo, que não tinham tempo nem para comer. 32Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. 33Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé e chegaram lá antes deles. 34Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.

 – Palavra da salvação.

Reflexão:

Após a avaliação de uma viagem missionária, os apóstolos são convidados a se retirarem para um descanso. Eram tantos os que procuravam Jesus e seus discípulos que, diz o evangelho, não tinham tempo sequer para comer. Ao se deslocarem para um lugar deserto, foram precedidos pela multidão. Vendo-a, Jesus teve compaixão, comoveu-se interiormente, como a mãe que vê o sofrimento dos filhos, pois eram como “ovelhas sem pastor”. Ter compaixão é sentir e encarnar em si a dor do outro. Venham para o descanso, diz Jesus. Todos, inclusive os discípulos-missionários de Jesus, temos necessidade de descanso. O papa Francisco nos alerta sobre a “doença do martismo, de Marta, da atividade excessiva, ou seja, daqueles que mergulham no trabalho, negligenciando inevitavelmente ‘a melhor parte’: sentar-se aos pés de Jesus. Por isso, Jesus convidou os seus discípulos a ‘descansar um pouco’, porque descuidar do descanso necessário leva ao estresse e à agitação. O tempo do repouso, para quem levou a cabo a sua missão, é necessário, obrigatório e deve ser vivido seriamente: passar algum tempo com os familiares e respeitar as férias como momentos de recarga espiritual e física”.

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


Evangelho: Mateus 12,14-21 - 21.07.2018



Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 14os fariseus saíram e fizeram um plano para matar Jesus. 15Ao saber disso, Jesus retirou-se dali. Grandes multidões o seguiram, e ele curou a todos. 16E ordenou-lhes que não dissessem quem ele era, 17para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: 18“Eis o meu servo, que escolhi; o meu amado, no qual coloco a minha afeição; porei sobre ele o meu Espírito, e ele anunciará às nações o direito. 19Ele não discutirá nem gritará, e ninguém ouvirá a sua voz nas praças. 20Não quebrará o caniço rachado nem apagará o pavio que ainda fumega, até que faça triunfar o direito. 21Em seu nome as nações depositarão a sua esperança”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Ao estabelecer o Reino de Deus, Jesus se coloca a favor do povo, oferecendo-lhe gratuitamente acolhida, ensinamento e curas. Os fariseus, ao invés, oprimem o povo em vista de manter os próprios privilégios. Rejeitam Jesus e seu projeto de libertação e vida. Então, com pauta definida, reúnem-se para tramar a morte de Jesus. Citando passagem de Isaías (Is 42,1-4), o evangelista Mateus oferece uma síntese sobre o Messias. Ele é o servo escolhido por Deus, o Filho amado, o ungido pelo Espírito, que traz a luz e o julgamento a todos os povos. Jesus não cessa de proclamar a Boa-nova do Reino, mas muitos não ouvem a sua pregação. Cresce, cada vez mais, a rejeição de líderes religiosos e políticos, familiares, multidões e cidades. A pressão dos adversários aumenta.

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


Evangelho: Mateus 12,1-8 - 20.07.2018



Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus

– 1Naquele tempo, Jesus passou no meio de uma plantação num dia de sábado. Seus discípulos tinham fome e começaram a apanhar espigas para comer. 2Vendo isso, os fariseus disseram-lhe: “Olha, os teus discípulos estão fazendo o que não é permitido fazer em dia de sábado!” 3Jesus respondeu-lhes: “Nunca lestes o que fez Davi quando ele e seus companheiros sentiram fome? 4Como entrou na casa de Deus e todos comeram os pães da oferenda, que nem a ele nem aos seus companheiros era permitido comer, mas unicamente aos sacerdotes? 5Ou nunca lestes na lei que, em dia de sábado, no templo, os sacerdotes violam o sábado sem contrair culpa alguma? 6Ora, eu vos digo, aqui está quem é maior do que o templo. 7Se tivésseis compreendido o que significa: ‘Quero a misericórdia e não o sacrifício’, não teríeis condenado os inocentes. 8De fato, o Filho do homem é senhor do sábado”.

– Palavra da salvação.

Reflexão:

A lei judaica antiga proibia fazer colheita no sábado, dia de total repouso, sinal da aliança com Deus (cf. Ex 34,21; Dt 23,25). Ora, os discípulos de Jesus estavam pegando algumas espigas para matar a fome. São ações diferentes, mas os fariseus colocavam tudo no mesmo plano e censuravam Jesus. Citando dois episódios da Escritura, Jesus lhes mostra que, por motivos justificáveis, há situações ou atitudes que não ferem a lei sabática. Além disso, os fariseus precisam aprender o que significa “Quero misericórdia e não sacrifício”. O que Deus espera de cada pessoa não é a mera observância da lei, mas a solidariedade, o socorro necessário e imediato, o salvamento de uma vida. O profeta Isaías, de modo brilhante, descreve qual é o “dia que agrada a Deus” (cf. Is 58,3ss).

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


terça-feira, 17 de julho de 2018

Evangelho: Mateus 11,28-30 - 19.07.2018



Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e disse: 28“Vinde a mim, todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Sentimentos e expressões de extremo conforto para a humanidade sufocada, entristecida e desorientada. Nascem do coração do Mestre, sensível às necessidades materiais e espirituais do povo. Não é a primeira vez que Jesus manifesta compaixão pela multidão faminta de pão, luz e amor: “As multidões… estavam angustiadas e abandonadas, como ovelhas que não têm pastor” (Mt 9,36). Os chefes do povo, ao invés, longe de criarem oportunidades de progresso e vida digna para a população, sugam dela impiedosamente seus recursos de sobrevivência. Não assim Jesus. Sua carga é leve. Uma questão, sobretudo para os que exercem algum tipo de liderança, inclusive os pais de família: Não estamos talvez impondo exigências insuportáveis aos semelhantes? Criamos condições para viverem digna e alegremente?

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/


Leia também:


Evangelho: Mateus 11,25-27 - 18.07.2018



Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus

– 25Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. 26Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 27Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”.

– Palavra da salvação.

Reflexão:

Ao se dirigir ao Pai, Jesus reúne alguns títulos que revelam o domínio soberano de Deus: “Pai”, “Senhor do céu e da terra”. “Sábios e entendidos” são termos aplicados aos membros da elite religiosa e política, que se recusaram a reconhecer Jesus como o enviado do Pai. Não é que Deus os tenha privado dessa possibilidade, eles é que se posicionaram contra Jesus e seu Reino. Tornaram-se tão opostos a Jesus, que o perseguiram o tempo todo até fazê-lo morrer na cruz. Os “pequeninos”, por sua vez, são os empobrecidos, que buscam proteção, que anseiam por justiça. Estes têm o coração aberto para acolher o projeto de Deus. A mensagem de Jesus é digna de confiança e aceitação, pois ele a recebe diretamente do Pai, a quem conhece como ninguém.

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte https://www.paulus.com.br/



Leia também: